Serviço de distribuição de sinais de televisão por subscrição - 1.º trimestre 2020



Sumário executivo

O número de assinantes de distribuição de sinal de TV por subscrição cresceu 4,1% e 89% das famílias são clientes deste serviço

No 1T2020, cerca de 89% das famílias dispunham do serviço de distribuição de sinais de televisão por subscrição (TVS), mais 3 p.p. do que no trimestre homólogo.

O número de assinantes do serviço de distribuição de sinais de TV por subscrição atingiu os 4,1 milhões, mais 160 mil (+4,1%) do que no mesmo trimestre do ano anterior. Trata-se do maior crescimento anual em termos absolutos verificado desde 2016. Este valor encontra-se, no entanto, dentro do intervalo de variação resultante da tendência histórica deste indicador.

O crescimento do serviço deveu-se às ofertas suportadas em fibra ótica (FTTH), que registaram mais 271 mil assinantes em relação ao trimestre homólogo (+15,9%).

Fibra ótica foi a principal forma de acesso ao serviço; Evolução do DTH e do ADSL poderá ter sido influenciada pelo Estado de Emergência

A FTTH continuou a ser a principal forma de acesso a este serviço (48,0% do total de assinantes), seguida da TV por cabo (32,2%), do DTH (11,2%), e do ADSL (8,5%), tal como vem acontecendo desde o início de 2018.

No 1T2020 a tendência de queda número de assinantes de DTH, que se vem a registando desde 2016, abrandou. Neste trimestre o número de assinantes de DTH diminuiu 4,7% quando há uma ano atrás tinha caído 9,1%. Pelo menos um prestador registou mesmo um aumento do número de assinantes desta tecnologia. Esta evolução poderá ter sido influenciada pelo Estado de Emergência associado à COVID-19 que entrou em vigor em 18 de março de 2020, prolongando-se para além da janela temporal deste relatório.

Da mesma forma, o número de acessos ADSL ficou ligeiramente acima do intervalo de previsão resultante da evolução histórica recente. Esta evolução poderá também ter sido influenciada pela COVID-19.

Recorda-se, igualmente, que o processo de mudanças de frequências da TDT iniciou-se a 07/02/2020 e foi suspenso a 13/03/2020 devido aos constrangimentos associados à COVID-19.

Quotas dos prestadores

O Grupo NOS era o prestador com a quota de assinantes do serviço de distribuição de sinais de TV por subscrição mais elevada (39,9%), embora tenha ficado pela primeira vez abaixo dos 40%, seguindo-se a MEO (39,7%), a Vodafone (16,5%) e a NOWO (3,7%).

A Vodafone e a MEO foram os prestadores que, em termos líquidos, mais assinantes captaram face ao trimestre homólogo, tendo as suas quotas aumentado 1,0 p.p. e 0,3 p.p., respetivamente. Por outro lado, diminuíram as quotas do Grupo NOS (-0,9 p.p.) e da NOWO (-0,3 p.p.).

O nível de concentração, medido pelo índice Herfindahl-Hirschman, apesar de elevado, diminuiu ligeiramente face ao mesmo trimestre do ano anterior. A atual tendência de diminuição da concentração iniciou-se em 2013, com o lançamento da oferta triple play da Vodafone suportada em FTTH. Desde o início de 2018, que o nível de concentração tem apresentado diminuições pouco significativas.

Resumo gráfico: Serviço de distribuição de sinais de televisão por subscrição - 1.º trimestre de 2020